ALIMENTAÇÃO VEGETARIANA
Existem variadíssimas razões pelas quais se opta pela dieta vegetariana, tais como questões filosóficas, económicas, éticas e ecológicas, preocupações com a saúde, preferências sensoriais e influências familiares. Estes aspetos podem influenciar o tipo de padrão alimentar adotado, explicando-se assim diferentes exclusões de produtos animais na alimentação.

Existem indivíduos, que excluem qualquer produto animal da sua alimentação (vegans), os que a esta adicionam o leite (lacto-vegetarianos) e aqueles que para além de beberem leite incluem também os ovos (ovo-lacto-vegetarianos).

Um regime alimentar vegetariano parece oferecer vantagens aos seus seguidores, devido às baixas quantidades de gordura saturada, colesterol e proteína animal. Por outro lado, esta dieta oferece elevados teores de fibra, magnésio, vitamina C e E, folato, carotenoides e fitoquímicos, benéficos para a saúde. Contudo, alguns vegans podem apresentar carências de vitamina C e B12, cálcio, zinco, iodo e ferro. Alguns estudos referem que alguns vegetarianos apresentam níveis plasmáticos elevados de homocisteína, fator de risco para as doenças cardiovasculares. No entanto, em geral a alimentação vegetariana tem sido associada a uma redução do risco de algumas doenças cardiovasculares, a um índice de massa corporal mais baixo, a um melhor perfil lipídico e a uma menor pressão arterial. Embora não existam diferenças significativas na incidência de cancro e mortalidade, entre vegetarianos e não vegetarianos, uma ingestão elevada de vegetais é também comumente relacionada com uma redução do risco de determinados tipos de cancro.

Não se esqueça! Se pretender iniciar um regime alimentar do tipo vegetariano deve seguir um plano alimentar bem estruturado para que seja nutricionalmente saudável.

Rui Beijoco
Nutricionista